A Revolução dos Bichos

O quer dizer desse livro com título e capa aparentemente infantil? Alguns dizem que as fábulas são as melhores ferramentas literárias quando se quer falar de algo indiretamente, ou ainda quando queremos passar alguma moral a determinado grupo. Talvez tenha sido essa a intenção do autor de A Revolução dos Bichos: um conto de fadas (Animal Farm: a fairy story, 1945), porém se o plano era agir indiretamente, acabou não dando certo. Quem leu o livro identificou na hora as referências metafóricas e o que houve foi sua rejeição por vários editores, inclusive pelo poeta T. S. Eliot. Este romance fabular que se assume como um conto de fadas critica da maneira mais explícita a ditadura stalinista, e não apenas essa, mas qualquer forma de regime totalitário.

Ao invés de pessoas, nessa historinha temos animais como protagonistas, e o cenário é uma fazenda, a Granja do Solar, que posteriormente passa a ser chamada de Granja dos Bichos, sendo depois modificada novamente para o nome original. No começo da narrativa a granja é governada por Jones seu proprietário (humano), mas a forma como explora os pequenos animais tem sido questionada por eles próprios como abusiva. Os bichos organizam assim uma Rebelião, expulsam Jones da fazenda e começam a governar eles próprios. Após algum tempo, começam a surgir líderes, e isso vai afunilando através de disputas, e surge então a grande Revolução!

Os personagens de maior destaque na Granja são Napoleão e Bola-de-Neve, que são análogos a Stálin e Trotski, respectivamente. Suas ações também são análogas, vemos aqui expurgos, assassinatos (verdadeiros massacres), exílio e até distorção da História, isso feito de forma bem enfática pelo autor. George Orwell, que na verdade é um pseudônimo de Eric Arthur Blair, nasceu na índia e estudou na Inglaterra, chegou a se filiar ao exército britânico e atuou na Birmânia. Lutou também na Guerra Civil Espanhola e juntando essas experiências formulou a idéia para esse romance que levou seis anos para ficar pronto, desde idealização até a finalização. Além disso, ele foi jornalista, romancista e crítico. Após a árdua batalha para publicar este livro, intensificou na defesa pela liberdade de imprensa.

O que agrava ainda mais o escândalo causado por esse livro foi o animal que Orwell usou para satirizar esses líderes, e que ainda não mencionei. Pois bem, Napoleão e Bola-de-Neve são porcos, tidos na granja como os mais inteligentes entre os animais, eram estratégicos e não precisavam trabalhar, pois seu trabalho era pensar, deles é que surgiu a liderança e com isso as rivalidades. Além dessa abordagem política A Revolução dos Bichos pode ainda ser encarada com uma amplitude bem maior. Pode ser vista como um retrato da humanidade e contra utopias, de forma até pessimista. Se os humanos saíssem de cena, sempre haveria uma espécie se sobressaindo e dominado. Nós somos seres sujos, como os porcos, se não existíssemos mais, outra espécie (suja) tomaria o controle.

Posteriormente esse livrinho de amplo poder chegou a ser usado como uma arma ideológica anticomunista. Até hoje essa obra-prima é discutida e usada com abordagens diferentes. Há quem a use como defesa contra os animais, mas devo dizer que nesse sentido há um pessimismo explícito, pois a noção de ideais igualitários é vista como simples utopia. O final do romance caminha para um desfecho incomum, sem aquele tradicional final feliz. Quem acha que no final tudo se resolve, devo dizer que é onde o conflito realmente começa. Más interpretações veem o encerramento do livro como uma fusão de ideais, onde um se iguala ao outro, mas o que temos de fato é o surgimento de mais discordância, desavença e rivalidade.

Este livro é leitura obrigatória para todo leitor que se preze, não apenas por seu caráter político, mas também por sua excelência e abrangência interpretativa.

Nota: O livro A Revolução dos Bichos será o tema do próximo Clube do Livro daqui de Teresina-PI. Além da discussão da obra, será exibido o filme adaptado de 1999 com direção de John Stephenson. O Clube do Livro do mês de Abril acontecerá (adiadamente) próximo domingo (02/05) às 14hrs no SESC da Av. Maranhão. Convidamos a todos os que puderem ir para comparecer e contribuir para discussão.

Anúncios

4 comentários

    • Oi Tommy,
      O Orwell é incrível e sim sempre há nuances novas a descobrir. Recentemente eu li 1984, maravilhoso também. Quero reler A Revolução dos Bichos muito em breve.
      Obrigado pelo elogio e um forte abraço.

      Curtir

  1. Assim como outros livros de Orwell, A Revolução dos Bichos capta a atenção do leitor justamente pelo caráter figurativo. Nem todos conseguem perceber, logo de início, as sutis revelações que o autor faz em relação à Stalin e sua ditadura. Também assisti ao filme, mas confesso que o livro é infinitamente melhor.
    Só não o acho tão bom quanto 1984.

    Curtir

    • Oi Soraya,
      Eu gosto muito desse lance metafórico do livro. Eu o li há algum tempo, para discussão no Clube de Leitura que eu participo. Essa semana eu começarei a ler 1984, pois será o tema da discussão do próximo encontro do Clube de Leitura. 😀
      Também concordo com você, acho o livro infinitamente melhor que o filme!
      Abraços

      Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s