Barba Ensopada de Sangue, de Daniel Galera

Barba Ensopada de Sangue

Persuadir uma pessoa a não seguir o coração é obsceno, a persuasão é uma coisa obscena, a gente sabe do que precisa e ninguém pode nos aconselhar.
Daniel Galera, Barba Ensopada de Sangue, pág. 32.

Barba Ensopada de Sangue é o quarto romance do paulista agauchado Daniel Galera. Um livro intenso, nu, cru e muito bem construído. Meu contato anterior com o autor se resumia a familiaridade do seu nome visto em sites, blogs e numa antologia de textos. Eis então que recebo a indicação direta da minha amiga Luiza, já encantada pelo autor, quando ela devorava este livro. O livro não é recente, mas ao ler temos a noção de que esta é uma história atemporal, embora o tempo e o espaço sejam pontos significativamente importantes para o desenvolvimento da trama.

A história se passa em 2008, no litoral de Santa Catarina, mais precisamente em Garopaba, uma cidadezinha cheia de mitos e mazelas. O protagonista inominado é um educador físico que resolve se mudar para Garopaba, com o intuito de investigar a morte misteriosa do seu avô. No primeiro capítulo, temos um diálogo entre o educador físico e seu pai, que comunica sua decisão de se suicidar e pede ao filho que sacrifique sua cachorra Beta, para que a mesma não sofra a morte do dono. Antes disso, o pai suicida (a quem se atribui a citação inicial deste texto) narra a história de Gaudério, avô do protagonista, que foi assassinado brutalmente em Garopaba, onde havia decidido ir morar e onde havia construído uma má fama.

A princípio o que se sabe é que Gaudério foi morto durante um baile. Houve um apagão e quando as luzes se acenderam seu corpo estava inerte no chão, tendo recebido inúmeras facadas. Sem um suspeito específico, já que o fulano era odiado por toda a cidade, o caso (e não o morto) foi enterrado e ninguém toca no assunto. É com esse pontapé que o protagonista do livro vai parar na cidade onde seu avô foi assassinado. Os tempos são outros, alguns moradores também se renovaram e o educador físico consegue trilhar um caminho diferente do seu antecessor, mais pautado na simpatia entre os nativos. Até que ele resolve fazer perguntas sobre a “lenda” do seu avô, despertando assim a hostilidade hereditária da população. Até quem nasceu depois do ocorrido ignora o assunto, movidos por um temor incrustado das histórias familiares. Assim como, na maioria das vezes, uma criança é ensinada a seguir a crenças dos pais, assim também é com a história do Gaudério.

O nosso protagonista transgressor contraria um dos desejos do seu pai e não sacrifica a cachorra. Resolve adotá-la, e isso a transforma na sua companheira inseparável. Excetuando o protagonista, a cachorra Beta é a personagem mais bem construída do livro. Ela tem personalidade e mais “humanidade” do que muitos humanos, sendo impossível não compará-la ou até mesmo associá-la à cachorra Baleia que Graciliano Ramos eternizou em Vidas Secas. A referência chega a ser uma espécie de inversão, em que o autor mostra que há sofrimento, felicidade e esperança independente do locus em que a mazela se faça presente.

Ainda que seja algo tão claro e intencional, há diálogo entre os livros de Daniel e Graciliano. Enquanto o nordestino escreve sobre um ambiente assolado pela seca, Galera pinta um cenário inundado, seja pela imensidão do oceano que mais leva do que dá para a população, seja pela chuva que mesmo sem trégua não lava a sujeira incrustada no caráter da sociedade. A semelhança está no fato de que em ambos os livros há uma inversão entre os comportamentos humano e animal, usando como base a inserção do cachorro (o melhor amigo do homem). O vaqueiro de Graciliano, chamado de bicho (no sentido de animal), e o educador físico de Daniel se inserem em situações em que o instinto e a ferocidade, características animalescas, se sobrepõem à racionalidade humana. Os conhecedores da obra de Graciliano sabem que o nome da cachorra, Baleia, é uma metáfora à esperança dos seus personagens. Por fim, no livro de Daniel, o dono pergunta à sua cadela “Quer virar baleia agora?”, quando esta tenta adentrar num ambiente que não lhe pertence.

Voltando à obra em si, Daniel Galera tem uma escrita consciente e bem trabalhada. Com diálogos memoráveis e críveis, o autor mistura o discurso direto com o indireto, aproximando o narrador dos personagens e do leitor. Por vezes o livro toma ares de documentário ou livro de memórias, quando o autor se utiliza de notas de rodapés que são discursos dos próprios personagens que passaram pela vida do protagonista.

Passar pela vida”, essa é a expressão certa para definir as relações pessoais do protagonista. A cadela é o único ser perene em sua jornada, todos os demais (parentes e amigos) são como ondas que vão e que vem, como a maré que sobe e desce e até mesmo como as temporadas turísticas da cidade, que ora é frutífera, ora é escassa. Nenhum outro personagem tem uma construção muito sólida, não que o autor não saiba fazê-lo, mas, acredito eu, que seja algo proposital para mostrar como a relações são frágeis e susceptíveis às mudanças de temperatura, podendo esquentar ou esfriar circunstancialmente de acordo com o tratamento ou prioridade que se atribui a elas. Assim, amigos, amantes, família, trabalhos, sonhos vão e vem na vida do personagem, que, em decorrência de uma doença rara, nem sequer consegue se lembrar do rosto das pessoas por mais que algumas poucas horas.

O livro possui uma espécie de prólogo antes do texto propriamente dito. Eu, particularmente gostaria que ele viesse como epílogo e não como prólogo, pois ele acabou revelando nuances que me permitiram presumir muita coisa que aconteceria. A intenção do autor era justamente essa, de nos revelar aos poucos e clareando as coisas gradativamente, mas para mim a surpresa ao final causaria uma sensação bem melhor. Então, caso queira se surpreender um pouco mais, vá direto para o primeiro capítulo e leia o prólogo somente depois que concluir o livro. Não quero dizer que ele atrapalhe o texto, é apenas uma sugestão, pois como eu disse, o texto funciona muito bem como prólogo e como epílogo.

Daniel Galera, que também é tradutor, começou a publicar seus textos em um selo editorial independente, Livros do Mal, logo depois passou a ser publicado pela editora Companhia das Letras. Já conta com os títulos: Dentes guardados (contos), Até o dia em que o cão morreu, Mãos de cavalo, Cordilheira e a graphic novel Cachalote (com o desenhista Rafael Coutinho). Seu primeiro romance foi adaptado para o cinema sob o título Cão sem Dono, com direção de Beto Brant e Renato Ciasca. O primeiro capítulo de Barba Ensopada de Sangue integra a antologia Granta 9 – Os Melhores Jovens Escritores Brasileiros, e os direitos de publicação do livro foram adquiridos por editoras de vários países, antes mesmo dele ser publicado aqui no Brasil ano passado.

Sim, Daniel Galera é um dos melhores jovens escritores que temos, e merece atenção. Não deixem de conferir o trabalho dele, vamos aguardar novidades, enquanto isso eu preciso conferir seus trabalhos anteriores. E vocês, já conheciam o Daniel? Comentem!

Ficha Técnica

Barba Ensopada de SangueTítulo: Barba Ensopada de Sangue
Autor(a): Daniel Galera
Editora: Companhia das Letras
Edição: 2012 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 2012
Páginas: 424
Sinopse: Um professor de educação física busca refúgio em Garopaba, um pequeno balneário de Santa Catarina, após a morte do pai. O protagonista se afasta da relação conturbada com os outros membros da família e mergulha em um isolamento geográfico e psicológico. Ao mesmo tempo, ele empreende a busca pela verdade no caso da morte do avô, o misterioso Gaudério, que teria sido assassinado décadas antes na mesma Garopaba, na época apenas uma vila de pescadores. Sempre acompanhado por Beta, cadela do falecido pai, o professor esquadrinha as lacunas do pouco que lhe é revelado, a contragosto, pelos moradores mais antigos da cidade. Portador de uma condição neurológica congênita que o obriga a interagir com as outras pessoas de modo peculiar, ele estabelece relações com alguns moradores: uma garçonete e seu filho pequeno, os alunos da natação, um budista histriônico, a secretária de uma agência turística de passeios. E aos poucos, vai reunindo as peças que talvez lhe permitam entender melhor a própria história.

Onde comprar:
Submarino | Estante Virtual | Saraiva | Cultura

5 comentários

  1. Admito que leio pouca coisa de escritores contemporâneos, mas essa obra me chamou muita atenção. Gostei do título, e do que contou sobre o livro.
    Se me lembro bem, “Cão Sem Dono” é um filme que eu tenho super vontade de assistir, inclusive tenho ele no meu “Quero Ver” do Filmow. Infelizmente nunca consegui assisti-lo.
    Ademar, se você acha que eu vou gostar desse livro, eu tenho praticamente certeza que sim, já que você conhece bem meu gosto e porque me interessei de cara pela trama. Posso ler ele nesses dias até.

    Parabéns pelo texto, Ademar. Adorei as referências que elucidou 😀

    Curtir

    • Oi Júnior,
      Então, eu estava precisando ler algum escritor nacional, depois de ler tantos livros estrangeiros, rs. Daniel Galera caiu como uma luva.
      E como eu já disse, me surpreendi com ele e com sua escrita. Me envolvi muito com o livro e é um daqueles livros que faz a gente sentir saudades depois.
      Ainda não vi o filme “Cão Sem Dono”, mas quero ver também, e ler o livro é claro.
      Obrigado pelo comentário.

      Curtir

  2. Terminei de ler o livro ontem e hoje estou pensando muito nele ,em trechos que gostei e que não gostei.Acho que alguns epsódios poderiam ser eleiminados pois não fariam falta nenhuma,mas no conjunto gostei muitissimo.Os fenômenos do mar e das baleias estam muito bem descritos.Achei no entanto eruditos demais os papos de um personagem local com o protagonista.(Bonobo) O trecho sobre sexo com a aluna não fariam falta nenhuma .,assim como outros que não me lembro e que arrrastam o conjunto da obra.
    Enfim ,um livro que não se esquece.E imagine que foi descartado por alguém que joga livros fora!Ainda bem que peguei pra mim.Recomendo.

    Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s