O Duque e Eu, de Julia Quinn

O Duque e Eu, de Julia Quinnem

– Não sei como alguém pode considerá-lo um libertino. Seu senso de humor é excelente.
– E nós, libertinos, acreditávamos ser tão perversamente cômicos…
– O humor de um libertino é essencialmente cruel – afirmou Daphne.
Julia Quinn, O Duque e Eu, pág 84.

Sempre que ouvia falar em Romance de Época, ou Romance Histórico como são popularmente conhecidos, eu imaginava que fossem histórias extremamente românticas e pouco atrativas (considerando meu gosto pessoal). Mesmo tendo muita curiosidade pelos livros da Jane Austen, único nome que conhecia até pouco tempo, acabava dando preferência às adaptações para o cinema e TV – Orgulho e Preconceito (filme, 2005); Persuasão (filme, 2007); Emma (série, 2009). O fato de alguns livros do gênero serem encontrados facilmente nas bancas de revista (tamanho de bolso, capa mole, papel jornal), acabei criando um distanciamento deles, uma vez que esse gênero era dedicado principalmente para o público feminino.

Julia Quinn
Autora Julia Quinn

Já até li alguns livros ambientados nesse período, mas não são necessariamente Romances românticos. Entre eles estão: Pecados da Casa dos Borgia, de Sarah Brower (Record); O Anatomista, de Federico Andahazi (L&PM Pocket); O Marido Complacente & Outros Contos, de Marquês de Sade (L&PM Pocket); e Série Borgia, de Milo Manara (HQ’s). Assim, já sou acostumado com posturas, vestuários e a forma que a sociedade era organizada e, ao ler meu primeiro livro da Julia Quinn, não tive tantas surpresas assim.

O Duque e Eu é o primeiro dos oito livros da série Os Bridgertons. Nele, temos como protagonista Daphne Bridgerton, a quarta filha entre 08 irmãos (um para cada livro), é a mais velha das mulheres da família e já está com “os dias contados” para conseguir um bom casamento. Mesmo que Daphne deseje casar e ter filhos, sua pressa em conseguir um casamento se dá por causa da pressão feita por sua mãe, Violet Bridgerton, que a leva para todos os bailes e a apresenta para uma infinidade de pretendentes.

A Família Bridgerton (Filhos)
A Família Bridgerton (Filhos)

Do outro lado dessa história, está Simon Basset, o Duque de Hastings, um homem sério e determinado, mas que não queria casar e nem ter filhos. Isso se dá pelo péssimo relacionamento que tinha com seu falecido pai, e seus inúmeros traumas de infância – ele perdeu a mãe ao nascer, teve um pai ausente e que o renegava, o que consolidou sua infância solitária. Mas, mesmo Simon não acreditando que algum dia alguma moça fosse se interessar por ele (por sua fama de libertino) ou que o inverso acontecesse, sua ideia começa a mudar quando conhece Daphne, pois Simon estudou com Anthony (irmão mais velho dela).

O envolvimento deles começa com uma farsa: Simon finge cortejar Daphne, pois assim as mães de moças solteiras parariam de importuná-lo; e, segundo ele imaginava, os homens só se interessam por moças comprometidas, o que levaria ao aumento dos pretendentes de Daphne. Mas o que eles não esperavam era que Anthony descobriria e que acabaria por forçar um casamento. Tudo acontece muito rápido. E, depois de casados, Daphne começa a querer descobrir os porquês dos traumas do seu marido.

Mesmo sendo uma história extremamente romântica, Julia Quinn me conquistou com o humor e irreverência que ela descreve as cenas. E ainda, nos momentos eróticos que são muito intensos, embora comportados. Daphne se mostra madura e decidida, muito a frente da sua época, como acredito que sejam na maioria desses romances. A evolução do casal também é um ponto alto. Os personagens são bem construídos, embora a maioria deles seja pouco explorada, já que cada um será abordado num livro diferente. Existe um personagem onipresente, Lady Whistledown, que me causou muita curiosidade. Ela é uma jornalista desconhecida responsável pelas fofocas da sociedade.

Os Bridgertons, de Julia Quinnem (Capas Nacionais)
Os Bridgertons, de Julia Quinn (Capas Nacionais)

Esse livro me proporcionou uma boa experiência. Surpreendi-me com a quantidade reduzida de pieguices, considerando minhas expectativas, o que para mim foi muito bom. Pretendo continuar lendo a série. É uma excelente forma de entretenimento!

Curiosidades:

  • Para quem gosta de associar leitura e música, Julia Quinn selecionou uma trilha sonora para cenas e personagens dos seus livros. Para O Duque e Eu, as músicas selecionadas são: Take My Hand, de Dido; Mouth, de Merril Bainbridge; God Only Knows, de The Beach Boys; Pretty in Pink, de Psychedelic Furs.

Sequência de publicação/Cronologia da série:

  1. O Duque e Eu (The Duke and I, 2000)
  2. O Visconde que me Amava (The Viscount Who Loved Me, 2000)
  3. Um Perfeito Cavalheiro (An Offer From A Gentleman, 2001)
  4. Romancing Mr. Bridgerton (2002)
  5. To Sir Phillip, With Love (2003)
  6. When He Was Wicked (2004)
  7. It’s In His Kiss (2005)
  8. On The Way to the Wedding (2006)
Os Bridgertons, de Julia Quinnem (Capas Originais)
Os Bridgertons, de Julia Quinn (Capas Originais)

Livros Extras da Série:

  1. The Bridgertons: Happily Ever After (2013) [Edição que integra todas as seguintes].
  2. The Viscount Who Loved Me: The Epilogue II (Bridgertons, #2.5 – 2006)
  3. An Offer From A Gentleman: The Epilogue II (Bridgertons, #3.5 – 2001)
  4. Romancing Mister Bridgerton: The Epilogue II (Bridgertons, #4.5 – 2007)
  5. To Sir Phillip, With Love: The Epilogue II (Bridgertons, #5.5 – 2009)
  6. When He Was Wicked: The Epilogue II (Bridgertons, #6.5 – 2007)
  7. It’s in His Kiss: The Epilogue II (Bridgertons, #7.5 – 2006)

Evento: Encontro com fãs de Romances de Época

Aproveitamos para convidar a todos para o Encontro com Fãs da Editora Arqueiro, que acontecerá dia 12/04 na Livraria Anchieta, onde abordaremos este e outros livros do gênero. Confirme sua presença no nosso evento no Facebook:

Postagens relacionadas:

Ficha Técnica

O Duque e Eu, de Julia QuinnemTítulo: O Duque e Eu
Título original: The Duke and I
Série: Os Bridgertons (Vol.1)
Autor(a): Julia Quinn
Editora: Arqueiro
Tradução: Cássia Zanon
Edição: 2013 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 2000
Páginas: 288
Baixe um Trecho: AQUI
Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta. Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Onde comprar:
Saraiva Submarino Cultura

14 comments

  1. Eu sei quem é a colunista…. mas não vou contar não… kkkkk

    Excelente resenha e realmente concordo com você, a Julia Quinn nos conquista completamente pelo humor e irreverência, e realmente a maioria dos personagens femininos são decididas e maduras por isso que amo desse gênero, já que atualmente as mulheres de livros contemporâneos estão decepcionantes em relação a personalidade e atitude.

    Curtir

    • Eita, Patricia! hahaha
      Lerei os outros livros da série só para descobrir isso.
      A postura feminina me agradou bastante. Como não conheço muito do gênero, ainda não posso fazer comparativos, no entanto, posso dizer que a Julia é uma excelente escritora. Sem dúvida!🙂

      Curtir

  2. Bom dia, vi que seu site oferece arquivos para baixar. O http://Minhateca.com.br é um site de armazenamento e compartilhamento de arquivos com espaço ILIMITADO e totalmente gratuito! Sem tempo de espera ou qualquer restrição, download ilimitado e super rápido – 100% GRATIS! Porque não usa nosso site para hospedar os arquivos do seu site?

    Curtir

  3. Olá!
    Adorei o post e concordo que, quando ouvia falar em romances épicos, tinha o mesmo pensamento que você, mas a Julia me encantou em todos os sentidos. O primeiro, foi pelo humor com o qual ela desenvolve os livros e as tramas que estão neles.
    A doçura das moças sem que deixe a desejar para os dias de hoje, até um “q” erótico que há nos livros, ficou demais.
    Amo essa série e Julia.
    Beijos e parabéns

    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    Curtir

    • Olá, Bruna.
      A série é mesmo incrível. Pretendo continuar lendo os livros da Julia.
      Esse preconceito acaba nos afastando das coisas boas. Por isso a cada dia procuro superar um dos meus “problemas” com alguns livros.
      Obrigado pelo comentário e elogios.
      Beijos!

      Curtir

  4. Eu não gosto desse tipo de livro e respeito diferentes gostos. Porém gostaria de lhe informar que Jane Austen não tem absolutamente nada a ver com esse estilo. Não sei se as adaptações que você viu te deram uma impressão errada… Mas srta. Austen não é de banca de jornal e tem seu lugar no cânone da literatura inglesa clássica. A história romântica é secundária em Jane, que era uma excelente e irônica crítica social da virada do século XVIII-XIX, além de ter uma escrita precisa e elegante . Sem o erotismo e a superficialidade desse tipo de personagem clichê, as personagens de Austen são repletas de camadas. Desculpe se fui de alguma maneira grossa, mas achei muito ofensiva a comparação.

    Curtir

    • Olá, Evelin.

      Citei Jane Austen apenas para mencionar minha “limitada” referência para os romances de época. No entanto, mesmo com propostas narrativas distintas, ambas autoras se utilizam do mesmo cenário para contar suas próprias histórias (cada uma à sua forma).

      E não se preocupe, você não foi grossa. Eu gosto quando as pessoas expressão suas opiniões.
      Abraço!

      Curtir

    • Olá.
      Ainda não ouvimos falar nada sobre filmes ou adaptações da série. Mas qualquer novidade divulgamos por aqui!🙂

      Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s