Dois Rios, de T. Greenwood

Dois Rios

[…] E era melhor eu estar preparado para explicar como uma garota de 15 anos de idade acabara indo morar na minha casa, passando minhas roupas a ferro e tomando conta de uma criança poucos anos mais nova que ela mesma. Isso não ia acabar bem. Tinha certeza disso.
T. Greenwood, Dois Rios, pág l56.

Assim que vi Dois Rios na lista de lançamentos da Novo Conceito uma curiosidade me bateu, embora parecesse mais um drama romântico. Não conhecia a escrita da T. Greenwood, nem fui em busca de comentários sobre o livro. Apenas peguei e li. E o que posso dizer de antemão é que essa história é surpreendente, além de possuir uma crítica social e valor histórico incrível. Confesso que agora fiquei um pouco mais interessado pela autora e, quem sabe, eu leia Um Mundo Brilhante – primeiro livro dela publicado no Brasil.

Autora T. Greenwood
Autora T. Greenwood

O protagonista dessa história é Harper Montgomery, um homem que viveu inteiramente para agradar sua falecida esposa – Betsy –, e agora luta para criar sua filha – Shelly. Doze anos já se passaram desde a morte de sua esposa e da tragédia que marcou sua vida desde então. Numa única noite, Harper movido por uma tristeza se deixou levar e teve sua vida marcada ao cometer um crime irracional. Por medo de possíveis consequências, além do rancor e peso na consciência, ele guarda esse segredo a doze anos, até que um acidente de trem muda o rumo dessa história.

Nesse acidente, uma adolescente grávida acaba entrando na vida de Harper. Essa jovem, Maggie, é uma negra que está fugindo de casa por consequência da sua gravidez. Essa aproximação acontece quando Harper, movido por um torpor de heroísmo, decide ajudar a socorrer as vítimas, até que Maggie pede para que ele a abrigue, pois ela diz que perdeu a mãe no acidente e que não tem nenhum parente que poderá ajudá-la. Mesmo ainda entorpecido, ele pensa um pouco e decide ajudá-la por uns dias até tudo normalizar, embora ele ainda não consiga imaginar o que dirá para a sociedade ao abrigar uma jovem negra e grávida.

Shelly logo se apega a Maggie. Primeiro porque elas possuem idades próximas e, segundo, porque Shelly sente falta de conversas femininas, onde Maggie acaba suprindo essa necessidade. Por mais que Harper tente arrumar formas para fazer com que sua hóspede se vá, ele começa a perceber que eles possuem uma ligação de alguma forma. Como se, mesmo ele se sentindo incomodado com sua presença, não consegue se resolver e permite que os dias se passem.

A história é narrada em primeira pessoa, por Harper, e é ambientada em três momentos: início da década de 1960, durante a infância-adolescência de Harper e Betsy, onde poderemos conhecer o início dessa grande história de amor; 1968, na noite do crime responsável pelo remorso do protagonista; e 1980, tempo ‘atual’ onde se passam o acidente e relação entre Harper e Maggie. E é nesse momento que se passa a maior parte da trama, onde Montgomery começa a investigar a história da garota e uma preocupação aparece, pois ele sempre associa o fato da garota negra poder ter alguma relação com suas lembranças do passado.

Segregação Racial nos EUA
Segregação Racial nos EUA

A forma como essas histórias se encontram é incrível, sem contar na ambientação que, em minha opinião, é uma das mais tristes, só perdendo para o Holocausto e as Guerras Mundiais. Para quem não sabe, entre as décadas de 1950-1970 foi o período mais intenso de segregação racial nos Estados Unidos. E, durante a leitura, algumas cenas me fizeram lembrar dois filmes ambientados nesse período: “Longe do Paraíso” (Far from Heaven, 2002), dirigido por Todd Haynes, e “Histórias Cruzadas” (The Help, 2011), dirigir por Tate Taylor.

Capa dos filmes “Longe do Paraíso” (Far from Heaven, 2002) e “Histórias Cruzadas” (The Help, 2011).
Capa dos filmes “Longe do Paraíso” (Far from Heaven, 2002) e “Histórias Cruzadas” (The Help, 2011).

O título do livro é o nome da cidade onde a história se passa. E esse detalhe não pode passar despercebido, pois tudo que se passa é consequência da forma como a sociedade se organiza. E, mesmo que hajam personagens importantes e responsáveis pela história, a cidade é que é a grande protagonista. Assim, como em A Caldeira do Diabo, de Grace Metalious, o importante não é nem a história central em si, mas as histórias cotidianas intercaladas, onde podemos identificar vários acontecimentos sobre a hipocrisia de uma pequena cidade interiorana.

Essa leitura agradável foi uma surpresa positiva, principalmente por que, apesar do livro ter quase 500 páginas, ela possui um ritmo gostoso e calmo. Quem esperar um romance com muita investigação ou algo do gênero, desista, essa é uma história dramática de um amor puro. E para os fãs de “moral da história”, a superação e redenção de Harper servem para isso. Recomendo!

Postagens relacionadas:

Ficha Técnica

Dois RiosTítulo: Dois Rios
Título original: Two Rivers
Autor(a): T. Greenwood
Editora: Novo Conceito
Tradução: Rafael Gustavo Spigel
Edição: 2013 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 2009
Páginas: 448
Baixe um Trecho: AQUI
Sinopse: Harper Montgomery vive ofuscado pela tristeza. Desde a morte de sua mulher, há 12 anos, ele aprisionou-se em uma pequena cidade, Dois Rios, onde todo mundo se conhece, porque ali — justifica-se — poderia criar melhor sua única filha. Atormentado pelo desgosto, Harper prefere esconder-se. Mas a verdade é que a morte de sua mulher é somente um dos motivos de sua dor. Além de sofrer por sua perda, ele se sente culpado por um ato abominável: quando mais jovem foi cúmplice de um crime brutal e sem sentido. Há muito sentimento em jogo quando se trata de sua vida cheia de remorsos… Então, um acidente de trem oferece a Harper a chance de redenção: uma das sobreviventes, uma menina de 15 anos, grávida, precisa de um lugar para ficar, e ele se oferece para levá-la para casa. No entanto, a aparição dessa menina, Maggie, não tem nada de simples acaso, talvez, ela tenha alguma coisa a ver com o crime do qual ele participou um dia…

Onde comprar:
Saraiva | Submarino Cultura

2 comentários

  1. Oi, José. Adorei sua resenha!
    Já li o livro e me deliciei com esse mix de emoções que a narrativa traz: mistério, amor e momento histórico importante. A escrita da autora é mesmo envolvente e as surpresas no final me deixaram de queixo caído!
    Adorei a história de Harper e Betsy adolescentes, ela é uma personalidade forte em meio ao caos de sua vida…

    Se quiser conferir minha resenha e impressões sobre a leitura, adorarei saber sua opinião.

    http://www.lerparadivertir.com/2014/02/dois-rios-t-greenwood.html

    Curtir

    • Olá, Manuh.
      Obrigado!
      Concordo contigo, o final também me deixou de queixo caído. Eu já tinha feito várias conjecturas, mas nenhuma chegou perto daquele final.
      Betsy foi uma das personagens mais fortes que conheço. E o envolvimento deles é muito lindo.
      Li sua resenha e deixei um comentário! 🙂

      Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s