Julieta, de Anne Fortier

Julieta capa

AO ME DEITAR nessa noite, comecei de imediato a ter um sonho recorrente que havia meses não tinha, mas que fizera parte da minha vida desde a infância. No sonho, eu andava por um castelo magnífico, e abria uma porta dourada atrás da outra, perguntando a mim onde estavam todos. […]
Ao atravessar aqueles vastos aposentos, eu me sentia como uma criança perdida na floresta e ficava frustrada por sentir a presença de outras pessoas, sem que elas jamais se mostrassem a mim. Quando eu ficava quieta, podia ouvi-las murmurando e esvoaçando para lá e para cá, como fantasmas. No entanto, se eram mesmo seres etéreos, ainda estavam tão aprisionados quanto eu, à procura de uma saída.
Somente ao ler a peça, quando estava no ensino médio, descobri que aquilo que os demônios invisíveis sussurravam eram fragmentos de Romeu e Julieta, de Shakespeare – não como atores declamando os versos no palco, mas os resmungando com serena intensidade, como um feitiço. Ou uma maldição.
Anne Fortier, Julieta, pág. 35

Olivia Hussey como Julieta (1968)
Olivia Hussey como Julieta (1968)

Romeu e Julieta, a mais famosa tragédia de Shakespeare, deixou um legado grandioso para leitores e escritores de todo o mundo. No entanto, essa história, conforme apontam pesquisas sobre suas origens, já havia sido escrita antes de receber o tratamento literário pelas mãos do Bardo e consagrar-se como a história de amor impossível mais comovente da literatura.

Há estudos históricos que defendem, inclusive, que o caso trágico de Romeu e Julieta foi transportado para a literatura a partir de um acontecimento verídico. E após ter alcançado prestígio universal através da peça do poeta inglês, essa história continuou a inspirar diversas obras literárias e outras formas de arte em geral, até os dias atuais.

Dessa maneira, a dinamarquesa Anne Fortier também se integra ao ramo de autores contemporâneos cuja fonte de inspiração provém da obra do dramaturgo inglês, visto que seu livro de estreia, Julieta (2010), foi baseado na peça Romeu e Julieta (1591~1595), de William Shakespeare. Além dessa importante influência, a escritora possui doutorado em História das Ideias, pela Universidade de Aarhus, na Dinamarca, o que contribuiu bastante para o progresso de sua carreira literária.

A autora começou a escrever desde cedo, e aos 11 anos já tinha produzido os manuscritos de seu primeiro romance, o qual foi rejeitado por um editor, quando ela tentou submetê-lo à publicação dois anos depois, sob a justificativa de que não se faz literatura de qualidade com histórias que possuem finais felizes. Apesar da decepção inicial, Anne percebeu, durante uma viagem à Tunísia, que ela deveria realizar mais viagens e vivenciar diferentes aventuras para criar histórias interessantes. Assim, influenciada pela paixão de sua mãe pela história e cultura da cidade de Siena, e depois de descobrir que tal lugar foi o verdadeiro palco onde se originou o caso real da tragédia amorosa dos dois jovens, Anne encontrou a matéria perfeita para desenvolver em seu livro. Deste modo, surgiu o romance Julieta.

Anne Fortier
Anne Fortier

Esta obra, narrada em primeira pessoa pela protagonista do livro, conta a história de Julie Jacobs, uma jovem norte-americana que levava uma vida banal e monótona em Virgínia, até o dia em que recebe a notícia da morte de sua tia-avó Rose, a partir daí, um futuro incerto e extraordinário surge em seu caminho. Julie e sua irmã gêmea, Janice, sempre acreditaram que seus pais haviam morrido em um acidente de carro na Itália e, por esse motivo, as duas foram levadas aos Estados Unidos e adotadas pela tia Rose. Entretanto, depois do falecimento da tia, uma surpreendente revelação foi trazida à tona: Julie e Janice são, na verdade, Giulietta e Gianozza Tolomei, descendentes, pela linhagem materna, da real Julieta que inspirou a tragédia de Shakespeare. Além disso, Julie deveria ir atrás de um antigo e valioso tesouro de família que sua mãe descobrira e acreditava que ainda estava escondido em Siena.

Essa descoberta foi revelada apenas a Julie, por meio de uma carta deixada por sua tia e entregue pelo fiel mordomo, Umberto, que sempre preferira a jovem recatada à sua irmã voluntariosa, Janice. Esta última herda toda a herança da tia e não hesita em esbanjar toda a fortuna e bens supostamente deixados somente para si. Enquanto Julie vivia transitando pelas colônias de férias dedicadas ao estudo de Shakespeare, organizando apresentações teatrais de suas peças com adolescentes, a irmã compunha exatamente sua antítese. Janice desejava apenas aproveitar a vida, tirando máximo proveito financeiro dos seus acompanhantes temporários e buscando prazer em parceiros casuais. Logo, as irmãs viviam num constante estado de hostilidade.

Ao desembarcar na Europa, Julie, ou Giulietta, conhece Eva Maria Salimbeni, uma sienense deslumbrante que insiste em levá-la de carro de Florença a Siena para instruí-la sobre a cultura e as tradições dessa ilustre cidade italiana. Pouco depois, Julie conhece Alessandro Santini, o charmoso sobrinho de Eva Maria e segurança do Palazzo dos Salimbeni, banco privado dessa família. De início, Julie e Alessandro parecem sentir extrema aversão um pelo outro, ou seja, isso significa que alguns capítulos adiante eles logo estariam mortos de apaixonados um pelo outro, o que de fato ocorre.

– ­­O essencial não é o que a maioria das pessoas pensa. Na minha opinião, sua história e também Romeu e Julieta não têm a ver com o amor. São sobre política e a mensagem é simples: quando os velhos brigam, são os jovens que morrem. (Alessandro, pág. 323)

Em Siena, Julie vai à procura do tesouro apontado por sua mãe no Palazzo Tolomei, banco que pertencera a seus antepassados muitos séculos atrás. No cofre de sua mãe, contudo, Julie encontra apenas uma caixa contendo alguns textos e versões muito antigas de Romeu e Julieta. Sua primeira reação é de desapontamento, porém, em seguida, Julie passa a examinar com cuidado os escritos da caixa e toma conhecimento de importantes acontecimentos do passado que ainda podem ter influência nos dias de hoje. A partir de então, o leitor é transportado da Siena atual para a fabulosa Siena do século XIV, acompanhando a aventura amorosa e fatal de Romeo Marescotti e Giulietta Tolomei.

Juliet coverNesse momento, a narrativa ganha força como um thriller conspiratório, uma vez que somos apresentados à real história, imaginada pela autora, de uma das maiores tragédias da literatura universal, que foi oculta por motivos muito sórdidos.

Assim, Julie descobre a feroz rivalidade entre duas das mais importantes famílias de Siena, os Tolomei e os Salimbeni, cujo ódio sangrento causou a morte de vários parentes de ambas as famílias, inclusive do casal Giulietta e Romeo. Mais do que uma simples desavença, a Giulietta atual toma conhecimento de uma maldição secular que persegue essas duas famílias; e ela mesma, por ter o nome herdado da primeira Giulietta de sua linhagem, pode ser a próxima vítima de uma morte cruel e misteriosa.

Com o avançar da leitura, Julie percebe a indicação de um tesouro que existe há muito tempo, conhecido como Olhos de Julieta. Este parece ser uma estátua de ouro com duas safiras incrustadas no lugar dos olhos de tal escultura. A mesma permanece erguida onde a Giulietta Tolomei do século XIV está sepultada. Assim, segue-se uma instigante caça ao tesouro e um delicioso mergulho na cultura e história de Siena.Julieta olivia hussey 2

No início, a trama apresenta alguns clichês; como a rivalidade entre as irmãs gêmeas, em que se tenta angelizar uma e “vilanizar” a outra, nesse caso, a liberal Janice; e o estereótipo do mordomo subserviente, que nunca questiona sua submissão aos patrões e cuja única satisfação na vida é servi-los. Felizmente, tais recursos são descartados e superados por um aprofundamento da história e da personalidade dos personagens, mostrando ao leitor que o uso de tais clichês não foi por mero acaso. Dessa forma, a complexidade dos personagens põe à prova nossa confiança no caráter de cada um deles a todo momento, visto que os mesmos oscilam de mocinhos a vilões, marcando as reviravoltas no enredo da obra. Isso contribui para que a história torne-se cada vez mais envolvente.

Por fim, Julieta mostra-se uma leitura fascinante, com uma trama que nos faz deslizar cada vez mais fundo por uma caverna obscura onde estão guardados segredos seculares e uma enigmática história, provocando o leitor a desenterrar acontecimentos do passado a fim de entender suas consequências no presente. Um livro recomendável tanto para amantes de Shakespeare quanto para fãs de histórias de suspense e mistérios, além daqueles que se sentirem tentados a ingressar numa interessante viagem literária independente do gênero a que pertence.

Curiosidades:

  • Cada capítulo do livro apresenta como título um trecho da peça Romeu e Julieta, de Shakespeare. Meu preferido é este: “Que é que há num nome? O que chamamos rosa/ Teria o mesmo cheiro com outro nome” (Cap. III.I, p. 90).
  • Para quem quiser saber um pouco mais sobre a autora, seus romances e novidades, não pode deixar de conferir o site administrado pela própria Anne Fortier: AQUI
  • Outra dica para quem ficou interessado em conhecer mais sobre o romance Julieta é este site feito por fãs brasileiros, contendo notícias, vídeos e entrevistas, um material super interessante dedicado à autora e sua obra. Confira: AQUI
  • Veja também os Book Trailers de Julieta em versão inglesa: AQUI e francesa: AQUI
  • Raoul Bova como Alessandro, aprovam?

    Uma adaptação cinematográfica de Julieta já está sendo produzida pela Paramount Pictures em parceria com a Montecito. O filme será dirigido por James Mangold e o roteiro será assinado por Eya Podell e Jonathan Stewart. Em entrevista para a revista ELLE, Anne Fortier confessou que escreveu o papel de Alessandro especialmente para o ator italiano Raoul Bova, e o papel de Eva Maria foi escrito para ser interpretado por ninguém menos do que Sophia Loren. Além disso, Anne afirmou que ela e seu marido acreditam que Andy García seria adequado para interpretar o personagem Umberto.

Postagens relacionadas:

Ficha Técnica

Título: Julieta
Título original: Juliet
Autor(a): Anne Fortier
Editora: Arqueiro
Tradução: Vera Ribeiro
Edição: 2010 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 2010
Páginas: 448
Baixe um Trecho: AQUI
Sinopse: Julie Jacobs e sua irmã gêmea, Janice, nasceram em Siena, na Itália, mas desde os 3 anos foram criadas nos Estados Unidos por sua tia-avó Rose, que as adotou depois de seus pais morrerem num acidente de carro. Passados mais de 20 anos, a morte de Rose transforma completamente a vida de Julie. Enquanto sua irmã herda a casa da tia, para ela restam apenas uma carta e uma revelação surpreendente: seu verdadeiro nome é Giulietta Tolomei. A carta diz que sua mãe havia descoberto um tesouro familiar, muito antigo e misterioso. Mesmo acreditando que sua busca será infrutífera, Julie parte para Siena. Seus temores se confirmam ao ver que tudo o que sua mãe deixou foram papéis velhos – um caderno com diversos esboços de uma única escultura, uma antiga edição de Romeu e Julieta e o velho diário de um famoso pintor italiano, Maestro Ambrogio. Mas logo ela descobre que a caça ao tesouro está apenas começando. O diário conta uma história trágica: há mais de 600 anos, dois jovens amantes, Giulietta Tolomei e Romeo Marescotti, morreram vítimas do ódio irreconciliável entre os Tolomei e os Salimbeni. Desde então, uma terrível maldição persegue essas duas famílias. E, levando-se em conta a linhagem e o nome de batismo de Julie, ela provavelmente é a próxima vítima. Instigante, repleto de romance, suspense e reviravoltas, Julieta – livro de estreia de Anne Fortier – nos leva a uma deliciosa viagem a duas Sienas: a de 1340 e a de hoje. É a história de uma lenda de mais de 600 anos que atravessou os séculos e foi imortalizada por Shakespeare. Mas é também a história de uma mulher moderna, que descobre suas origens, sua identidade e um sentimento devastador e completamente novo para ela: o amor.

Onde comprar:
SubmarinoSaraiva | Cultura | Estante Virtual

2 comentários

  1. Fiquei interessada! Tanto pelo fato de ter sido baseado na famosa peça de Shakespeare quanto pelo próprio background da autora. Pensar nessa hipótese de que a história de Romeu e Julieta pode ter sido verdadeira deve dar um sabor a mais à leitura. =)

    Beijos, Livro Lab

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá, Aline! 😀
      Adoro as intertextualidades e releituras modernas de textos clássicos. É uma característica muito forte dessa autora, o diálogo com outras obras literárias e culturas clássicas. Em breve publicarei sobre outro livro dela aqui no blog! Beijos!

      Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s