| Conto | Primeira Vez na Casa da Namorada, de Rodolfo Andrade

Primeira vez na casa da namorada 01

Calma, pessoal! Não é nada do que vocês estão pensando! Sei que o título soou meio ambíguo, mas me refiro àquele dia que nós, homens, passamos pelo teste de conhecer os pais da garota. Momento difícil, não é? Momento que já rendeu várias imagens no Facebook mostrando como é o primeiro dia na casa da namorada e como é um mês depois — na primeira situação, aparece um cachorrinho acuado e com medo e, na segunda, o cara com os pés em cima do sofá, todo largado. Agora me digam, meus caros, é ou não é assim? Claro que é! O homem que não sentiu vergonha ao entrar pela primeira vez na casa da namorada para conhecer seus pais que atire a primeira pedra. Geralmente é um momento tenso. É. Geralmente. Há casos em que os pais facilitam muito as coisas. Nas próximas linhas vou exemplificar o que disse acima com dois casos de duas pessoas distintas: eu com dezoito anos e eu com vinte e um. Aí você se pergunta: “Ué, mas não eram duas pessoas distintas?” Sim, são duas pessoas distintas. Acredite, é verdade!

Para início de conversa, os pais da minha primeira namorada são muito rígidos. São daqueles pais à moda antiga que (com toda razão!) zelam muito pelo cuidado de sua linda filha caçula. Eu também sou um rapaz à moda antiga e fiz questão de ir até lá para conhecê-los e pedir a permissão para que eu namorasse sua filha. Eu disse que sou um rapaz à moda antiga, não é? Yes! Mas isso não quer dizer que eu não seja um cara tímido, o que se resume na imagem do cachorrinho com medo citada no primeiro parágrafo. Foi exatamente assim: fiquei com tanta vergonha que eu mal me mexia. De vez em quando, falava algumas coisas e logo me calava. Que situação! Aquilo foi semelhante à minha apresentação de TCC e ao dia em que fui orador da turma na minha colação de grau. Quase morri do coração e ainda tive que aguentar a garota me zoando pelo estado em que eu estava naquele dia. Pensando agora, alguns anos depois, dá vontade de rir daquela situação cômica. Agora é engraçado, mas não foi nada engraçado fingir que eu não estava com vergonha sendo que era exatamente o contrário. Uma coisa legal é que fizeram bolo para mim, o que diminuiu um pouquinho a tensão — ah, quase me esqueci de citar a parte que quase não consegui comer o bolo de tão nervoso que eu estava.

Primeira vez na casa da namorada 02

Três anos depois, eu passava pela mesma situação quando fui conhecer os pais da minha segunda namorada e hoje esposa. A expressão “mesma situação” resume-se apenas em que eu fui conhecer seus pais. Isso porque foi totalmente diferente. Primeiramente, eu estava mais maduro, com três anos a mais de experiência na bagagem. Segundo: eu estava menos tímido (porém, não menos nervoso) devido ao meu emprego anterior de atendimento ao público e por último, os pais dela são totalmente diferentes dos pais da minha primeira namorada. Eles foram bem tranquilos em relação a mim, me deixaram bem à vontade e só fizeram aquelas perguntas básicas: “de onde você é?”, “estuda?”, “é filho de quem? Sobrinho de quem? Neto de quem?”. A sogra gostou de mim por eu ser falante, ter educação e vir de uma boa família, o que já aumentou meus pontos com ela. O sogro é super gente boa! E para comemorar a minha visita, sabe o que me ofereceram? Bolo! (risos). É, eu e a minha mania de comer bolo na primeira visita à casa das minhas namoradas. Pelo menos o bolo da segunda deu sorte e hoje nós somos muito felizes juntos. E eu costumo dizer que o primeiro não deu certo para ficar o aprendizado. Sem ressentimentos de nenhuma das partes.

Primeira vez na casa da namorada 03

Só sei que daqui a alguns anos, vai ser minha vez de bancar o paizão quando nossa filha trouxer o primeiro namoradinho dela aqui em casa. Não tem por onde escapar, uma hora essa hora chega! Agora, uma coisa é certa: a comida que vamos fazer para a visita do garoto já está decidida. Alguém tem alguma dúvida de qual será?

Postagens Relacionadas:

Autor Convidado

Rodolfo Andrade é leitor, escritor, formando em Letras, viciado em músicas, de onde tira a maioria de suas inspirações. Twitter | Facebook

8 comments

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s