100 Filmes: da Literatura para o Cinema, de Henri Mitterand

100 Filmes - Da Literatura para o Cinema

Entre o roteiro original e o roteiro adaptado, existem analogias e diferenças. Em graus diversos, ambos constituem o modelo, o ambiente de um futuro filme, programando um assunto, uma história, personagens, uma ordem das situações, uma ou várias épocas, um ou vários lugares, um sentido, efeitos espetaculares etc. Ambos são textos.
Henri Mitterand, 100 Filmes: da Literatura para o Cinema, pág. 10

Desde o surgimento do cinema a literatura passou a andar com ele lado a lado, sendo esta segunda uma das maiores fornecedoras de histórias para o primeiro. Não é de hoje que o cinema se utiliza da literatura para produções cinematográficas, mas atualmente qualquer livro que faça certo sucesso é um candidato para ganhar as telas do cinema. Alguns livros, principalmente de autores best sellers, já são escritos cinematograficamente para serem adaptados, alavancando as vendas de ambos. Mas antes dessa linha de adaptações estritamente comercial, fazer filme de livros já foi um desafio que alguns cineastas se emprenhavam em realizar. Não desmerecendo os filmes contemporâneos, a adaptação em si sofreu duras críticas desde o seu surgimento.

Edição original francesa
Edição original francesa

É com base numa discussão a respeito das nuances adaptativas entre livro e filme que o crítico de cinema Henri Mitterand inicia a apresentação do livro 100 Filmes: da Literatura para o Cinema, lançado recentemente pela editora BestSeller. Sempre que surge a proposta de adaptar um livro para o cinema há vários desafios e entraves a serem superados. O principal deles é a expectativa de fidelidade à obra original por parte dos fãs que o leram. A outra é transpor as emoções, ideias e nuances não verbalizadas do romance por parte dos cineastas. Como já disse, boa parte dos livros hoje em dia já são escritos visando uma adaptação filmíca, muitos diálogos, cenas de ação, certo suspense, entre outras estratégias que facilitam a escolha dos produtores, além do sucesso nas vendas, claro.

Mas não era pensando nesses filmes que Henri Mitterand estava pensando ao lançar em 2011 sua lista de 100 filmes adaptados da literatura para o cinema. No rol dos títulos que compõem o livro nenhum foi lançado nos últimos cinco anos, Henri vai buscar aqueles de maior significância desde os primórdios da sétima arte. A princípio ele faz uma longa e exaustiva apresentação acerca da polêmica que há entre os cineastas prós e contras esse tipo de adaptação, assim como elucida os mais variados tipos de adaptações e esclarece as principais diferenças entre adaptação nos mais variados graus, inspiração e referenciação.

A leitura de hoje é cinematográfica. 🎬🎥 Mais tarde tem resenha no blog. 😉✌

A photo posted by Cooltural (@cooltural) on

Abrindo a lista de 100 filmes temos o clássico 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968), obra coletiva de Stanley Kubrick e Arthur C. Clarke. Com a ajuda de um time de colaboradores, Henri reuniu 100 resenhas e inúmeras ilustrações para apresentar melhor cada adaptação para o leitor. A única coisa que me incomodou no livro foi a ausência de critério claro para organização dos filmes, como acontece com outros livros do tipo (1001 Filmes para Ver antes de Morrer). Ao contrário da ordenação aleatória, o editor poderia ter optado por uma ordenação cronológica ou alfabética, para facilitar a procura dos títulos. Em detrimento a isso, há três índices de consulta no final, em ordem alfabética por título, por cineasta e por autor, mas ainda insisto que os textos poderiam ser melhor organizados.

Além da apresentação e dos textos que compõem a lista, o livro ainda traz um esquema elaborado por Bérénice Bonhomme sobre “Como abordar a adaptação?” e pequenos relatos intitulados “A adaptação vista por três cineastas“. São eles: Jacques Audiard, Mathieu Kassovitz e Roman Polanski. Sendo estes pequenos relatos mais interessantes, concisos e elucidativos do que a extensa apresentação de Henri. As resenhas dos colaboradores sobre cada filme, que ocupam entre três e quatro páginas do livro cada uma, são interessantes ao abordarem as principais diferenças entre o texto original e o filme, assim como as várias curiosidades sobre a produção e a ficha técnica de cada título. Além disso, cada resenha traz um quadro com “pistas pedagógicas” sugerindo temas nos quais os filmes podem ser usados como recurso pedagógico para discussão, aplicável não apenas aos estudantes de cinema, mas também a qualquer sala de aula.

Adaptar um romance é realmente um exercício de matemática cujo objetivo é determinar o que vai permanecer e o que será eliminado. É como se tivéssemos a carcaça de um automóvel e precisássemos decidir quais peças colocar no motor, em qual ordem, para que o carro ande o mais rápido possível, mas também para não quebrarmos a cara com ele. (Mathieu Kassovitz, pág. 343-4)

Volto a dizer que o livro é um prato cheio para os amantes de cinema e literatura. Para mim, em especial, tornou-se uma lista viável de filmes para assistir em 2015. Muitos dos títulos eu já assisti, mas outros sequer eu sabia existirem. Devo dizer que me interessaram principalmente as resenhas sobre os filmes de ficção científica, fantasia e suspense. Entre os filmes abordados dou destaque a Fahrenheit 451Planeta dos MacacosO Homem InvisívelO Estranho Mundo de JackA Fantástica Fábrica de ChocolateAssassinato no Expresso OrienteO Retrato de Dorian Gray O Senhor dos Anéis. É sem dúvida um livro de referência para se ter na estante, seja você um cinéfilo e/ou amante de boa literatura. Vale a pena.

Postagens relacionadas:

Ficha Técnica

100 Filmes - Da Literatura para o CinemaTítulo: 100 Filmes: da Literatura para o Cinema
Título original: 100 Films du Roman à L’Écran
Autor(a): Henri Mitterand
Editora: BestSeller
Tradução: Clóvis Marques
Edição: 2014 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 2011
Páginas: 352
Skoob: Adicione
Sinopse: Desde o começo, o cinema sempre procurou a literatura como fonte de inspiração. No entanto, o segredo para transpor a história das páginas para a tela parece conhecido apenas por alguns poucos. Por que nomes como Kubrick, Renoir e Bresson foram capazes de criar obras capitais enquanto outros fracassaram enormemente? Este livro examina a arte e a técnica da adaptação através de cem casos que levantam questões amplamente diversificadas. Este mergulho edificante no mundo da sétima arte mistura filmes de diversas nacionalidades, épocas e gêneros, da literatura policial à ficção científica. Uma ferramenta para todos — escritores, roteiristas e cinéfilos — que, através de exemplos concretos, vai proporcionar uma nova visão sobre a adaptação literária para o cinema.

Compare e compre: Buscapé | Amazon

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s