II Semana Passarinha de Conscientização do Autismo – Nutrição e Autismo

II Semana Passarinha de Conscientização do Autismo

O autismo é uma condição complexa, no qual a nutrição e os fatores ambientais desempenham papéis primordiais para melhoria da qualidade de vida do indivíduo [1]

Como algumas pessoas têm acompanhando, a Editora Valentina vem, junto com os Blogs Amigos, a mídia e a sociedade, tentando divulgar informações sobre o Autismo e o Espectro Autista. A ideia surgiu ano passado, mas como tudo que é bom merece “bis”, aqui estamos para a II Semana Passarinha de Conscientização do Autismo. Tudo bem, oficialmente a semana era entre os dias de 06 a 10 de abril, mas como informação nunca é demais, aqui estamos!

Passarinha
Capa do Livro

Mas antes, o título da campanha é inspirado no livro Passarinha, de Kathryn Erskine, publicado pela editora Valentina, cujo livro tem como protagonista Caitlin, uma encantadora menina de 10 anos, portadora da Síndrome de Asperger, uma das variações do espectro autista. Para quem ainda não leu, este é um livro lindo e emocionante, além de já ter recebido vários prêmios, como o National Book Award. Quem tiver curiosidade sobre o livro, o link estará no final do texto, no espaço reservado para as “Postagens Relacionadas”. Mas, voltando ao que nos motivou, este texto tem como objetivo trazer um pouco de informações sobre o que é o Autismo (Espectro Autista) e como a Nutrição pode contribuir para minimizar os sintomas. Vale ressaltar que a maioria das informações ainda precisam de estudos mais específicos e que, eu, enquanto Nutricionista, tenho determinada propriedade para falar das mesmas. Mas, assim como em qualquer outro tipo de análise, essas informações devem ser consideradas a partir de anamneses individuais.

Autismo: Conhecendo e Reconhecendo

Dentre os Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (TID) – presença de atrasos e desvios no desenvolvimento das habilidades sociais, comunicativas e cognitivas ‑, o Autismo (também chamado de Transtorno do Espectro Autista) é um dos mais conhecidos. Iniciando com uma interrupção dos processos normais, logo, é uma síndrome comportamental definida, com etiologias orgânicas também definidas.

AutismoSegundo a cartilha “Direitos das Pessoas com Autismo” [2], essas alterações citadas anteriormente levam a “importantes dificuldades adaptativas e aparecem antes dos 03 anos de idade, podendo ser percebidas, em alguns casos, já nos primeiros meses de vida”. Mas como o Transtorno do Espectro Autista tem etiologias bem variadas, e consequentemente, níveis bem variados [Síndrome de Asperger, a Síndrome de Rett, transtornos desintegrativos e os quadros não especificados], as causas ainda não estão claramente identificadas, porém já se sabe que o autismo é mais comum em crianças do sexo masculino e independe da etnia, origem geográfica ou situação socioeconômica.

Apesar do deficiente desenvolvimento da linguagem e interação social serem os dois aspectos mais debatidos quando tratamos de autistas, estes não são os únicos. Estes indivíduos ainda são acometidos com uma série de alterações gastrointestinais, que podem variar desde pequenas inflamações da parede intestinal, até uma diminuição da produção de enzimas digestivas, causando uma permeabilidade intestinal alterada. Estas alterações podem dificultar a absorção de nutrientes essenciais, agravando os sintomas mais marcantes [3].

Nutrição e Autismo

Muitos estudos ainda estão em andamento, a fim de relacionar uma melhor alimentação para os portadores do Espectro Autista. Mas já sabemos que, independente da variação, as crianças autistas têm padrão alimentar e estilo de vida diferente das crianças não autistas, o que pode vir a comprometer seu crescimento corporal e estado nutricional.

Em relação ao comportamento do autista no momento da alimentação, pode-se observar que esse processo pode vir a ser dificultado por três fatores principais: Seletividade, Recusa e Inquietude. O primeiro diz respeito a dificuldade que os autistas têm em aceitar aquilo que é diferente, limitando a variedade de alimentos, podendo levar a carências nutricionais. O segundo é decorrente do primeiro, e essa recusa pode ocasionar um consumo deficiente, causando na maioria das vezes uma desnutrição calórico-proteica. E a última, causada pela falta de foco, pode comprometer principalmente a quantidade de alimento ingerido [5].

Crianças autistas são muito seletivas e resistentes ao novo, fazendo bloqueio a novas experiências alimentares. Portanto, deve-se ter o cuidado de não deixá-las ingerir alimentos que não sejam saudáveis. Comportamento repetitivo e interesse restrito podem ter papel importante na seletividade dietética (SILVA, 2011; apoud CARVALHO et al, 2012).

Quando pesquisei sobre alguns acometimentos gastrointestinais presentes nas pessoas portadores do espectro autista, a maioria dos autores relatou existir uma frequência considerável de dores abdominais, diarreia crônica, flatulência, vômitos, regurgitação, perda de peso, intolerância aos alimentos, irritabilidade, entre outros. Alguns deles ainda correlacionaram esses sintomas à ingestão do glúten e da caseína. O primeiro está presente no trigo, aveia, centeio e cevada; já o segundo está presente nos leites e seus derivados. Estudos relatam que indivíduos autistas apresentaram melhora dos sintomas, quando aderiram a uma dieta isenta de caseína e glúten [3]. Outros ainda correlacionam uma melhoria mais significativa quando essa dieta é associada ao uso do ômega 3, encontrado nos peixes (atum, sardinha, bacalhau, etc.), brócolis, couve, espinafre, óleos (soja, milho, canola e girassol), nozes e semente de linhaça [4].

Autismo (Alimentos)
Imagem encontrada na web.

Vale ressaltar que o glúten e a caseína tem uma relação com a produção de endorfinas, causando uma sensação de prazer, podendo também causar hiperatividade, falta de concentração, irritabilidade, dificuldade na interação da comunicação e sociabilidade. No entanto, assim como outros componentes nutricionais, podem ter alguma participação na fisiopatologia do autismo, porém não há evidências que validem sua restrição até o momento [1].

Portanto, devemos compreender que as dietas especiais, no caso dos autistas, variam de acordo com carências específicas, como a existência de alergias alimentares ou a falta de importantes vitaminas e minerais. Mas essas mudanças não devem ser introduzidas de forma aleatória, nem de forma súbita, devido à resistência por parte dos autistas. Apesar de existir uma quantidade significativa de pesquisas, pode-se observar que ainda são necessárias novas investigações para confirmar e/ou aprimorar àquelas já existentes.

Atenção!

Não negligencie nos cuidados de pessoas com Espectro Autista, nem pense que a alimentação vai curar. Por conta da natureza deste transtorno, as intervenções devem ser multidisciplinares, contemplando os aspectos da psicologia, fonoaudiologia e nutrição, entre outros. Assim, é importante reconhecer que a melhora clínica depende da avaliação individualizada.

Referências:

  1. CARVALHO, J. A.; SANTOS, C. S. S.; CARVALHO, M. P.; SOUZA, L. S. A. Nutrição e autismo: considerações sobre a alimentação do autista. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.5, n.1, Pub.1, Janeiro 2012;
  2. DPESP – DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, Cartilha Direitos das Pessoas com Autismo, 1 ed., Mar. 2011;
  3. SILVA, N. I., Relações entre hábito alimentar e síndrome do espectro autista. Resolução CoPGr 5.890 de 2010, 132 p. Piracicaba, 2011;
  4. WILLIAMS, C., WRUGHT, E., Convivendo com o autismo e a síndrome de Asperger. São Paulo, M. Books, 2008;
  5. ZUCHETTO, A. T., MIRANDA, T. B., Estado nutricional de crianças e adolescentes. EFDeportes.com, Revista digital, Ano 16, n.156, Buenos Aires, Maio, 2011;

Postagens relacionadas:

Anúncios

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s