O Menino de Vestido, de David Walliams

O Menino de Vestido

Mas por que Dennis era tão diferente?, você me pergunta. Afinal de contas, esse menino morava em uma casa comum em uma rua comum de uma cidade comum. Bem, ainda não vou contar, mas a pista pode estar no título do livro…
David Walliams, O Menino de Vestido, cáp. 01.

Para quem desconhece, no último dia 17 foi o Dia Internacional de Combate à Homofobia e essa data não pode passar em branco, pelo menos não para mim. Claro que teria sido mais legal se esse texto estivesse saído no dia 17, mas como o combate à violência deve acontecer todos os dias, aqui estou. Inicialmente pensei em fazer alguma lista de livros/filmes que tratassem de homossexualidade e suas diversidades (ideia *copiada* da Mayara Tashiro, do Blog Silêncio Contagiante), mas fuçando minhas listas de livros lidos e não resenhados, encontrei O Menino de Vestido, que li ano passado, e que traz essa questão da homofobia, mas não necessariamente direcionada a uma pessoa homossexual (Oi?). Vou tentar explicar.

Dennis e seu pai, em O Menino de Vestido
Dennis e seu pai, em O Menino de Vestido

Dennis é apenas um menino. Aos nove anos foi abandonado pela mãe e atualmente mora com seu pai e seu irmão mais velho, John. Até ai tudo bem, tirando o fato que Dennis era muito apegado à mãe e, após a saída dela, o assunto ficou proibido. Tudo parece muito confuso: como uma criança vai entender o porquê de sua mãe ter ido embora, sem dar explicações, se não pode perguntar isso ao próprio pai e/ou irmão? Mesmo assim, Dennis consegue seguir com sua vida, ir para a escola e jogar futebol com seus colegas de turma.

Mas como esquecer a própria mãe? Então, Dennis esconde a única foto da mãe que restou quando seu pai decidiu atear fogo em tudo que o fizesse lembrar dela. Por isso, a única coisa que faz com que Dennis se lembre da mãe são as revistas de moda, pois ele lembra (não sabe como), que a mãe gostava de vestidos e ele acredita que apreciá-los deixará ela mais próxima. Além disso, Dennis possuía um melhor amigo, Darvesh, que fazia com que ele não se sentisse tão solitário.

Darvesh e Dennis, em O Menino de Vestido.
Darvesh e Dennis, em O Menino de Vestido.

Assim como toda criança, Dennis tem uma paixonite por uma menina da turma seguinte à sua, Lisa, e certa vez ele começa a puxar assunto com ela sobre sua roupa – numa tentativa de ganhar um pouco de atenção – e ela acaba mencionando sua coleção de vestidos e revistas de moda. Uma amizade se inicia e, com o aumento da confiança, Lisa sugere que Dennis vista um vestido algum dia, apenas para experimentar, já que ele gosta tanto. Assustado ele recusa, mas em seguida aceita apenas por brincadeira. A situação se repete algumas vezes até que ambos decidem que Dennis deve ir para a escola de vestido (e todos os demais acessórios femininos, incluindo peruca) para ver se alguém o reconhece. A partir daí uma grande confusão se inicia.

Apesar de ser um livro infanto-juvenil, com todas as ilustrações possíveis e imagináveis, além de uma leitura simples e fluida, Walliams consegue trazer uma mensagem sobre aceitação do diferente sem julgamentos prévios. Somos o que somos, independente do que vestimos. Às vezes a sociedade não busca entender as razões dos demais, apenas exige que os indivíduos se enquadrem nos padrões. Dennis é uma ótima criança e um craque no futebol, além de (aparentemente) ser heterossexual, mas sofreu por tentar se sentir um pouco mais próximo da mãe e acabou saindo dos “padrões”. Até quando esse tipo de violência será aceito?

Lisa e Dennis, em O Menino de Vestido
Lisa e Dennis, em O Menino de Vestido

Devemos lembrar que violência não se restringe apenas às agressões físicas. Limitar os desejos do próximo também fere os direitos, e qualquer atitude que resulte em ferimento (físico, moral, de conduta, de comportamento) é sim violência. Desta forma, gostaria de – assim como David Walliams e Dennis – pedir que nos preocupemos mais com nossas atitudes e vontades do que com o que as pessoas estão fazendo. Realizemos nossos sonhos sem nos preocupar como os outros estão realizando os deles.

Leiam O Menino de Vestido e sintam como algumas atitudes simples fazem toda a diferença. É um livro lindo e divertido, além de emocionante. E para os apreciadores de “Moral da História”, neste temos uma das mais lindas que já li.

Postagens relacionadas:

Ficha Técnica

O Menino de VestidoTítulo: O Menino de Vestido
Título original: The Boy in the Dress
Autor(a): David Walliams
Editora: Intrínseca
Tradução: Edmundo Barreiros
Ilustrações: Quentin Blake
Edição: 2014 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 2008
Páginas: 192
Skoob: Adicione
Sinopse: A vida de Dennis não é nenhum mar de rosas: ele foi abandonado pela mãe, não se entende com o irmão, o pai está deprimido e, para piorar, há uma regra em casa que proíbe abraços. Só duas coisas o fazem feliz: jogar futebol e olhar vestidos bonitos. Ele é o atacante do time do colégio e adora a revista Vogue. Durante uma detenção, Dennis conhece Lisa, a menina mais bonita da escola e que também se interessa por moda. Os dois se tornam amigos e passam a se encontrar na casa dela. Até que um dia ela o convence a pôr um vestido e ir à aula fingindo ser uma aluna de intercâmbio.É nesse momento que a vida chata e comum de Dennis se transforma em algo extraordinário.

Compare e compre: Buscapé Amazon

3 comments

  1. Eu jurava que O menino de vestido era simplesmente um livro divertido para o público infantil… O Vlaxio, meu revisor e grande amigo, até comentou que uma das formas mais eficazes de se combater a intolerância é através da literatura. De certo que é mais eficaz quando ensinado na infância ou até, para ser mais visionária, que não seja ensinada nenhuma forma de intolerância. Bem, O menino de vestido é mais um dos livros que entrou para a minha lista de aniversário.

    Bjs, May.
    https://silenciocontagiante.wordpress.com/

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá, May!
      Também espero o dia em que não seja ensinada nenhuma forma de intolerância.
      Mas até lá, vamos ensinando o “certo” aos que tem que conviver com isso.

      Leia! Leia!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Opa… também vou correndo ler esse livro. Já tinha visto nas minhas sugestões da Amazon, mas nunca havia lido nenhuma resenha. Ótimo texto, moço…

    Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s