| Crítica | Parada em Pleno Curso (Halt auf freier Strecke, 2011)

Stopped on Track  (1)

Frank (Milan Peschel) está sentado junto com sua esposa, Simone (Steffi Kuhnert), diante de um médico que lhe diagnostica um tumor cerebral maligno. Com a cirurgia e o tratamento usual, que incluem quimio e radioterapia, a expectativa de vida é de três anos, porém no caso dele, o tumor está localizado em uma área com funções cerebrais importantes, impedindo o procedimento. Restam-lhe então poucos meses.

Apesar da carga dramática que uma notícia como essa carrega, a cena é seca, fria. Os três ficam estáticos, sem saber direito como reagir, que pode ser explicado seguindo um estereótipo construído do jeito de ser do alemão mais sisudo.  Esboço de emoção mais forte só quando Frank pergunta se não verá o décimo aniversário do filho Mika.

Stopped on Track (3)
Mika Lange, Frank Lange, Simone Lange, Lilli Lange

Segundo a página do Festival de Cannes, no qual o filme foi premiado na Mostra Um Certo Olhar, o diretor Andreas Dresen optou por deixar os atores livres para construírem as próprias falas a partir de horas de entrevistas gravadas por pacientes terminais, extraindo assim uma maior naturalidade nas cenas. Funcionou, uma vez que com atuações tão espontâneas é difícil não se transportar e se imaginar na mesma situação vivida por Frank.

Como contar para os dois filhos que o pai morrerá em alguns meses? O que fazer para aproveitar o pouco tempo que lhe resta? Como reagir quando, de uma hora para outra, se torna totalmente dependente de outras pessoas? Tem-se uma vida tranquila, um bom trabalho, uma casa em um lugar lindo, mas inesperadamente uma doença grave lhe desperta para a finitude da existência humana, ainda que tentamos esquecê-la para conseguir seguir adiante mesmo com nossos medos. São essas questões que o filme levanta ao tratar da morte iminente.

Frank começa narrar seus dias derradeiros usando seu iPhone. Registra os afazeres de sua esposa, a feição de seus filhos, coisas corriqueiras que a certeza da morte transformou em especiais. É com o aparelho também que tem as primeiras alucinações, fotografa seu rosto cada vez mais abatido com a doença.

Stopped on Track (2)
Frank Lange e Simone Lange

Além do próprio conflito interior, Stopped on Track também retrata todo o sofrimento das pessoas ao redor de Frank, que não sabem bem como agir com a morte. Os pais que esperavam ir antes, a esposa que perderá o companheiro, os filhos que crescerão sem o pai. Lilly está na adolescência e quer viver todas as descobertas de sua idade, mas precisa encarar que seu pai está morrendo sem saber direito o que isso significará. Mika, de 8 anos, em um certo momento pergunta ao pai se vai mesmo morrer e se deixará seu iPhone para ele. Parece uma grosseria, mas que no contexto do filme e dos personagens faz todo sentido.

Frank por vezes parece não se conformar com seu fim. Em uma cena, ele conta que sempre sentiu orgulho de não fumar, apesar de achar cool tragar enquanto discute uma partida de futebol, como se dissesse: “por que isso foi acontecer justamente comigo que sempre tomei as decisões corretas?”.

Stopped on Track (4)

Todos nós já nos deparamos com o dilema “tudo tem um porquê de acontecer?”. Queremos acreditar que a vida não é uma sucessão de malfeitos para soterrar mais ainda nossa frágil existência, embora pareça que nossa história seja uma entropia com um inevitável prazo para o término. E nem precisa ser a morte propriamente dita. Quem nunca teve que lidar com a perspectiva do fim, algo que sempre sonhou e que desceu pelo ralo?

Falar sobre a morte sempre traz à tona sentimentos ruins, experiências tristes, mas não deixa de ser também uma forma de celebrar a vida e todas suas nuances. No Natal, Frank já passa a maior parte do tempo dormindo, os sentidos falham pela quantidade de morfina, mas subitamente ele acorda e pede para celebrar a data junto às pessoas que amam. Do leito, registra com seu celular a família unida como se não quisesse ser esquecido com o passar do tempo. Se morrer é uma condição inerente ao homem, viver também é.

Trailer

Ficha Técnica

Clique para ampliar
Clique para ampliar

Título: Parada em Pleno Curso
Título Original: Halt auf freier Strecke
Direção: Andreas Dresen
Roteiro: Andreas Dresen, Cooky Ziesche
Gênero: Drama
País: Alemanha, França
Ano: 2011
Duração: 110 min.
Elenco:  Steffi Kühnert, Milan Peschel, Talisa Lilly Lemke e Mika Seidel

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s