| Resenha | Os Monstros, de Dave Eggers

Onde vivem os monstros (detalhe)

Soube da existência desse livro através de indicação do Pedro Silva (do blog De Cara nas Letras). Eu havia assistido ao filme Onde Vivem os Monstros na estreia, em 2010, e até comentei sobre ele aqui no blog. O que eu sabia até então era que o filme era baseado no livro infantil homônimo de Maurice Sendak. O que eu não sabia era que o roteirista do filme, Dave Eggers, havia escrito um romance baseado tanto no filme como na versão original de Sendak, tendo para tanto aval deste último. O personagem Max de Eggers é uma mistura das duas versões com acréscimos pessoais do autor. A mesma trama contada com mais detalhes, mais cenas, mais personagens e mais camadas.

A princípio, o livro segue de perto a trama do filme. Max é um garoto solitário, apesar de viver com sua irmã mais velha e sua mãe. O que acontece é que sua irmã prefere a companhia de seus amigos e sua mãe está ocupada demais com o trabalho – que está prestes a perder – e o novo namorado. Após vários acontecimentos, o garoto se revolta e foge de casa. Acaba indo parar numa ilha onde vivem sete monstros. Até aqui tudo certo, a diferença e o que o romance traz de novo são acréscimos que nos permitem conhecer melhor a personalidade de Max, sua relação com a família e assim como quem são os monstros e não apenas onde eles vivem. Max é filho de pais divorciados e possui um comportamento que em determinados momentos sugerem que ele está condicionado à Síndrome de Asperger. Não estou diagnosticando o personagem, nem tentando justificá-lo, mas depois de ler várias coisas sobre o tema, foi difícil não associar certos sinais do comportamento de Max com o que comumente acontece com crianças sob esta condição.

Dave Eggers (Photo Paolo Vescia)
Dave Eggers em seu escritório (Photo: Paolo Vescia)

Eu lembro que quando assisti ao filme pela primeira vez senti um misto de emoções. Onde Vivem os Monstros estreou aparentemente como um filme infantil, mas protagonizados por monstros feios e com uma discussão bem adulta. Na época, isso me deixou meio confuso, cheio de reflexões e questionamentos. Com o romance, Dave Eggers consegue, através de seus acréscimos, sanar muitos desses questionamentos que haviam ficado comigo. No romance, vemos um pouco mais de Max e sua rotina em casa, na escola e em sua vizinhança. Temos acesso a mais algumas doses do drama familiar no qual ele está inserido e como suas emoções entram em conflito diante de tanta coisa: a separação dos pais, o novo relacionamento da mãe que traz aquela ameaça da substituição da figura que quase toda criança teme, o crescimento da irmã mais velha que passa a ter novos interesses, entre outras coisas.

Certa noite, após uma confusão em casa, Max atinge o limite de sua raiva e foge. Encontra um barco na enseada próxima à sua casa e, após passar dias e dias à deriva em alto mar, ele chega a uma ilha habitada por sete monstros: Douglas, Carol, Judith, Ira, Alex, Touro e Katherine. Como eu já havia dito anteriormente (em relação ao filme), cada monstro tem uma característica distinta, como se fossem uma personificação de nossas emoções. Alex é calmo e centrado. Touro é tímido, retraído e misterioso, sendo assim o oposto de Judith que é explosiva e rancorosa; a figura materna e protetora é interpretada por Katherine; Carol tem uma personalidade ambígua, no início é amável e atencioso, depois passa a ser grosso e arrogante, é também o favorito de Max; Ira é inseguro, mas sábio, e Douglas é o amigo com quem se pode contar a qualquer hora.

Onde vivem os monstros - Carol e Max
Carol e Max

Ao longo de sua aventura como rei dos monstros, Max vai se metendo em mais confusão e enrascadas. Em determinados momentos, os monstros estão prestes a devorá-lo e ele precisa se safar. Lidar com criaturas de personalidades tão diferentes faz com que Max aprenda sobre a importância de respeitar as diferenças, a controlar as emoções e especialmente a levar em conta as decisões alheias. Em outras palavras, aprender a conviver com os monstros proporcionam certo amadurecimento a Max. O livro traz uma história de fantasia, mas não é possível determinar se Max vivencia realmente esse contato com o fantástico ou se tudo acontece em sua cabeça enquanto ele dorme no barco ancorado na enseada. Uma das interpretações possíveis é que os setes monstros são as várias facetas da personalidade do garoto tentando entrar num acordo entre si e com ele mesmo.

“O Max do livro infantil é uma versão de Maurice, e o Max do filme é uma versão de Spike. O Max deste livro, portanto, é uma combinação do Max de Maurice, do Max de Spike e do Max da minha própria infância.”
Dave Eggers, Os Montros, p. 260.

Dave Eggers nos apresenta muitos pontos que podem servir de complemento ao filme, mas ainda nos deixa certos questionamentos e reflexões. Ponto para ele. Esse equilíbrio entre aproximação e distanciamento do filme fez com que a leitura não ficasse repetitiva nem fugisse totalmente daquilo que eu já havia adquirido no meu contato anterior. Eggers também é autor de O Círculo Um Holograma para o Rei, ambos pela Companhia das Letras. Ademais, Os Monstros é uma leitura rápida, capaz de proporcionar boa diversão e certas doses de reflexão. Se você já viu o filme, este será um bom complemento, se não, esta pode ser uma boa forma de conhecer Max e seus monstros.

Nota: 💚💚💚💚💛

Ficha Técnica

Os Monstros
Clique para ampliar

Título: Os Monstros
Título Original: The Wild Things
Autor(a): Dave Eggers
Tradução: Fernanda Abreu
Editora: Companhia das Letras
Edição: 2009 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 2009
Páginas: 264
Skoob: Adicione
Leia um trecho: AQUI
Compare e compre: Buscapé | Amazon

 

2 comments

  1. Adorei sua resenha, Ademar. Eu ainda não tinha visto o filme, lembro de ter lido ao pequeno livro há muito tempo e realmente pelo descrito senti um maior aprofundamento da obra em si. Gosto dessa representação em monstros dos nossos sentimentos em conflitos e eu acredito que o Max tenha tido apenas um sonho, não sei. Desejo ler mais ainda a obra do Eggers.
    Até mais! :}

    Curtir

  2. Nossa, que sucesso, não sabia desse livro. Adoro o filme do Spike Jonze, quero muito ler o livro do Maurice Sendak (que é um cara que marcou minha infância por conta de desenhos incríveis – exibidos na Tv Cultura). Fiquei bem curioso pra ler esse livro.

    Abraço! =)

    Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s