| Resenha | Menina Má, de William March

Menina Má, de William March_2

[…] “Rhoda tem muitas qualidades espantosas para uma criança. Em primeiro lugar, tem uma coragem acima da média. É quase como se não sentisse medo: ela mantém a calma diante de coisas que fariam uma criança normal chorar ou sair correndo. E ela não é nem um pouco dedo-duro, isso nós já descobrimos. […]”
William March, Menina Má, pág. 48.

Depois do surgimento da DarkSide® Books, a atividade de olhar os lançamentos literários se tornou ainda mais constante. Considerando o catálogo da editora cada vez mais completo, é muito difícil não se interessar por algum título. Para os desatentos, sugiro dois textos específicos aqui do blog no qual falamos sobre eles (AQUI e AQUI), para que tomem consciência sobre o que estou falando. Depois desses textos específicos, e algumas leituras da editora, em especial Psicose, de Robert Bloch, A Noite dos Mortos-Vivos, de John Russo, Hellraiser – Renascido do Inferno, de Clive Barker e Tubarão, de Peter Benchley, chegou a hora de falar de mais um livro da coleção CineBook – Filmes para Ler: Menina Má, de William March.

A Tara Maldita (The Bad Seed, 1956)

Apesar da história não ser uma surpresa pra mim, pois Tara Maldita (The Bad Seed, 1956) — adaptação cinematográfica dessa obra publicada originalmente dois anos antes ‑ se tornou um dos meus filmes favoritos, há alguns anos, quando comecei a me apaixonar por suspense e terror, tendo Stephen King (na literatura) e Alfred Hitchcock (no cinema) como referências. Desde então, sempre que vejo alguma referência à criança malvada, me vem a imagem de Patty McCormack aos oito anos interpretando Rhoda de forma impressionante, em especial por ser algo completamente novo para a época.

Sobre a história, trarei um trecho disponibilizado pela editora, como forma de manter o suspense, já que algumas cenas me vêm naturalmente:

Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também.

Como já vem estampado na quarta capa do livro: “Será a maldade uma espécie de semente que carregamos dentro de nós, capaz de brotar na mais adorável das crianças?” Contudo, não espere respostas, essa dúvida permanecerá por um longo tempo após a leitura. March possui uma escrita completamente envolvente, onde o leitor consegue mergulhar na mente dos personagens de forma involuntária. Quando nos deparamos, estamos construindo um júri próprio a respeito dessa “origem da maldade”.

Tara Maldita (The Bad Seed, 1956)

Apesar de conhecer bem a história, o romance ainda foi uma excelente surpresa. Pois alguns detalhes complementam a adaptação, ou seja, caso já tenha assistido ao filme (cujas imagens ilustram esse post) você ainda se surpreenderá com algumas situações e informações adicionais sobre os personagens. Mas, caso ainda não conheça nada sobre ambos sugiro a leitura como primeira escolha, pois sua experiência e surpresas serão ainda maiores.

A edição vem com o padrão DarkSide de qualidade. Mas uma coisa realmente me incomodou: a tradução do título, tanto no livro como no filme. Claro que a DarkSide foi um pouco mais cuidadosa ao escolher um título relacionado ao enredo, mas ainda assim me pergunto quando/como “The bad seed” se tornou “Menina Má” ou ainda pior “Tara Maldita“? No mais, a editora pensou em cada detalhe garantindo não só uma leitura de qualidade como mais uma belíssima edição para a coleção. Leiam, assistam, comentem!

Nota: 💚💚💚💚💚

Drops:

  • The Bad SeedMenina Má foi o último e mais reconhecido romance de William March. Este ganhou não só a adaptação cinematográfica em 1956 como, um ano antes, recebeu uma montagem nos palcos da Broadway.
  • O filme homônimo, Tara Maldita no Brasil, foi indicado a quatro categorias do Oscar, inclusive o de melhor atriz para a menina Patty McComarck, que interpretou Rhoda Penmark.
  • O livro influenciou além da literatura, o cinema e a cultura pop. A maldade escondida atrás da delicadeza de Rhoda serviu de inspiração para outros personagens que viriam depois como Damien, Chuck, Annabelle, Samara e o querido Dexter.
  • William March publicou seis romances e quatro compilações de contos. Morreu em 1954, um mês após o lançamento do seu livro mais celebrado, Menina Má.

Ficha Técnica

Menina Má, de William March

Título: Menina Má
Título Original: The Bad Seed
Autor(a): William March
Tradução: Simone Campos
Editora: DarkSide Books
Edição: 2016 (1ª)
Ano da obra / Copyright: 1954
Páginas: 272
Skoob: Adicione
Compare e compre: Buscapé | Amazon

One comment

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s