| Resenha | Shirley, de Charlotte Brontë

Jane Eyre (Filme, 2011).jpg
Cena do filme Jane Eyre (2011)

— Quando falo de pobreza, não me refiro à pobreza habitual do operário, mas à penúria envergonhada do homem cheio de dívidas, do comerciante angustiado se debatendo contra a ruína.
Charlotte Brontë, Shirley, pág. 55.

Depois que iniciei a leitura de Romances de Época pela Série Os Bridgertons, de Julia Quinn, acabei me interessando mais pela temática e, sempre que posso, vou atrás das autoras que deram início a esse tipo de literatura. Recentemente, tive contato com duas das escritoras mais influentes na história da literatura Inglesa. Digo isso porque, no curso de Licenciatura em Língua Inglesa, já ouvi falar muito bem delas — Jane Austen e Charlotte Brontë (e suas irmãs), além de Shakespeare e Dickens, que não fazem parte do gênero. Como recentemente li Orgulho e Preconceito, de Jane Austen (post em breve), para o clube de leitura que tenho com amigos, eu decidi ler em seguida Shirley, de Charlotte Brontë para não perder o ritmo e o encanto desse período tão lindo.

Diferente de tudo que já li, Shirley vem com uma proposta menos pautada no amor romântico e mais voltada para a emancipação feminina e crítica social. Tanto que, apesar do romance ser visível, ele não é o centro dos acontecimentos. A autora se prende em desenvolver os personagens e sua influência na sociedade, em especial na figura de Robert Moore, um proprietário que instalou uma fábrica de tecido no condado de Yorkshire causando um mal estar na sociedade por conta das consequências causadas pela industrialização, sendo o desemprego uma delas; e na construção da protagonista, Shirley Keeldar, uma mulher jovem, herdeira de uma fortuna considerável e, ainda por cima, emancipada.

As irmãs Brontë
As irmãs Brontë.

Dentre as coisas que mais me agradaram nesse romance está o fato de que a personagem que intitula o livro não aparece logo no início. Pelo contrário, ela é construída aos poucos, através da fala de outros personagens que são tão importantes para a história quanto a própria Shirley. Tanto que logo na apresentação do livro, a editora “toma a liberdade de adicionar a essa edição o subtítulo A História da Órfã Caroline Helstone e da Herdeira Miss Keeldar” (p.04). E considerando o romance como um todo, acredito que a primeira ainda consegue trazer para si uma responsabilidade (ou importância) maior para o desenrolar da trama.

Segundo informações contidas na edição, Caroline Helstone foi inspirada em Anne Brontë, irmã de Charlotte. De personalidade forte e comportamentos decididos, a personagem desafia os padrões sociais. Órfã de pai e mãe, Caroline mora com o tio o reverendo Mr Helstone. Sua beleza sutil atrai a atenção de alguns homens, em especial os primos, dos quais ela só tem olhos para um — Robert Moore. Mas como nessa época, o casamento nada mais era do que uma forma de conseguir dinheiro, Robert está planejando conquistar Shirley, a proprietária do terreno que ele alugou para firmar sua fábrica de tecidos. Algumas coisas acontecem e fazem com que Caroline e Shirley se tornem grandes amigas, o que fará com que a primeira abra mão do seu grande amor.

Essa amizade faz com que Robert tente um afastamento da prima, pois sua paixão poderá atrapalhar seus planos. Mas, isso são interpretações, uma vez que os sentimentos reais dele não são claramente expostos. Quem ele ama? Com quem ele deseja ficar? Assim, algumas confusões familiares vão acontecendo dando um tom humorístico ao romance. Apesar das gargalhadas e coraçõezinhos, Charlotte faz algumas menções bem interessantes a episódios reais, entre eles as Guerras Napoleônicas e a miséria que se alastrou pela Inglaterra em decorrência do início da Revolução Industrial.

Apesar de ser minha primeira experiência com as irmãs Brontë, acredito que esta foi uma boa porta de entrada. Com uma narrativa bem fluida, a autora consegue tratar de assuntos densos sem deixar de lado o bom humor e o sarcasmo. Sim, a Charlotte consegue ser extremamente irônica, principalmente quando deixa um homem (provedor do lar) à mercê de duas damas, por motivos já mencionados. Atualmente isso não choca tanto, mas quando levamos isso para o século XIX onde as mulheres tinham funções bem definidas envolvendo cuidado do lar, organizar festas (onde os maridos deveriam aprovar tudo) e outras atividades envolvendo bons modos e costumes.

A edição está impecável. Este é meu primeiro livro da Editora Pedrazul, mas pelo que tenho pesquisado e usando este como base, eu posso dizer que a editora tem feito um trabalho belíssimo. Além de um projeto gráfico bem trabalhado, apesar da fonte pouco espaçada, a editora tem investido em edições ilustradas, o que acaba dando um charme a mais. Para você que gosta de Romances de Época Clássicos, fica a sugestão de conhecer o catálogo da editora. Sobre Shirley, a Pedrazul lançou duas capas da 2ª Edição em comemoração ao Bicentenário da autora, cabendo a você a mais bela (ou as duas, porque não? rs).

Depois dessa leitura, já incluí Jane Eyre na lista de livros desejados. Além dele, irei atrás das obras mais populares das irmãs Brontë, em especial O Morro dos Ventos Uivantes, que aparentemente só eu ainda não li. Mas espero findar essa pendência em breve. No mais, espero que tenham gostado de conhecer essa história e que comentem suas impressões. Boas leituras e abraços!

Nota: 💚💚💚💚💛

Ficha Técnica

Shirley, de Charlotte Brontë
Clique para ampliar

Título: Shirley
Título original: Shirley
Autor(a): Charlotte Brontë
Tradutor(a): Fernanda Martins
Editora: Pedrazul
Edição: 2016 (2ª)
Ano da obra / Copyright: 1849
Páginas: 392
Skoob: Adicione
Compare e compre: Buscapé | Amazon
Pedrazul Edição Normal | Edição Comemorativa

One comment

  1. Mailson que resenha formidável, explicitou a essência do livro. Shirley é uma das obras primas da autora. Te indico todos os livros das irmãs Brontë. Outra autora que te recomendo é a Elizabeth Gaskell, e por coincidência foi autora da primeira biografia de Charlotte. Gaskell também aborda temas sociais, faz críticas a sociedade, além de debater sobre preconceitos. Parabéns pela resenha novamente.

    Curtir

Deixe um Comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s